Neste tempo que se arrasta connosco há demasiado tempo de gentes cansadas que preenchem os tempos vazios (mas cheios de ódio e de maldade) apenas com suspiros de alívio por escapar: à justiça que não se faz, às bombas que não nos estraçalham, às balsas que se afundam sem nossos corpos, às mulheres que sempre se espezinharam, aos de pele diferente que sempre desprezamos, aos que clamam preces a um Deus que negamos, aos ricos que sempre roubaram, aos pobres que sempre se escravizaram, aos gritos dos que ignoramos, às lágrimas que não limpamos, aos doentes que não tratamos, às crianças que não ensinamos, aos jovens que não compreendemos, às mentiras em que nos escondemos, às verdades que ignoramos.
Como esperar por tanto tempo o início da coragem que se vence por dentro e de dentro para fora, e não só aceitar, como também apoiar, trumps, pens, temers, maduros e outros que proliferam neste tempo presente? E, enquanto não chega outra vontade, não quero uma alma que sossegue com crueldade e sem juízo. Há dias em que o que o mais quero é uma alma nova.

All original content on these pages is fingerprinted and certified by Digiprove