Deus existe Bio

Foto de Isabel Costa Pinto (Bió)

Acordei com o sol a dar em cheio nos olhos, a entrar pelas nesgas da persiana e lembrei-me desta última parte do sonho. Se Deus não existisse o mundo seria melhor? O corpo aconchegado no leito ainda bem quente, o corpo ainda adormecido dado àquela preguiça de quem não tem por que se apressar. O corpo ainda incomodado com aquela questão a martelar na testa. Não. Não seria por Deus não existir que o mundo seria melhor – sonhei. Este mundo em que nos vemos, este mundo em que a energia Divina existe não é mais do que o resultado do complexo existir do ser humano. Eu – tu – ele – não somos mais do que um somatório inconstante da instabilidade pendular entre o muito mau e o muito bom. Nada é preto ou branco, muito menos sempre cinzento, mas nós, que queremos sem dúvida encontrar o ponto de equilíbrio, desejamos sentir o bem, o maior número de vezes possível e pela maior quantidade de tempo possível, envolvendo aqueles com quem escolhemos viver.

Remexi-me. Pus-me de barriga para o ar. Fechei os olhos para tentar rememorar um pouco mais. Sim. O mundo não seria melhor nem pior por Deus não existir. É que Ele gravou, bem fundo, em cada um de nós, ser único, individualizado, irrepetível – aquele sou. E para que o mundo seja melhor só é preciso mesmo uma coisa: que me conheça, que viaje até ao mais íntimo de mim e que decifre, compreenda e aceite o mapa lá traçado, para que siga o caminho que quero e devo fazer. “Conhece-te a ti mesmo” – citei no sonho – “mas só eu sei até onde poderei chegar.”

A Velha-Escrita, 3 de Dezembro de 2014

Cristina Brandão Lavender

All original content on these pages is fingerprinted and certified by Digiprove