poema-a-duas-maos-pintado

acordei
vi o mundo a preto e branco
olhos cegos de tanto pensar
olhos tristes por não enxergar

minha flor na íris
carente de cores
falta de chuva de sol
e de raios de orvalho

decidi colorir o manto
decidi travar o pranto
sem exigência de maior
admirei o preto e branco
da alma de que me vesti

no peito
larguei papoilas em semente
aguardo a chuva de ti
a brisa morna das peles
que brotará em raio
quando o tu e o eu for: nós

descobri encanto tamanho
neste cinzento pintado
porque eras tu ao meu lado
e a cegueira colorida que ficou
disse ao coração em tormento
que tuas tulipas em pensamento
formam a beleza do momento

terra fértil
que busca primaveras
abrem botões de sentimento
florescem quimeras
arco-íris preto e branco
tulipa nossa
ébrio encanto

 

Cidália Pinto e Cristina Brandão Lavender

 

All original content on these pages is fingerprinted and certified by Digiprove